Dr. Édison Prado de Andrade

Dr. Édison Prado de Andrade

Presidente da ABDPEF

Meu nome é Édison Prado de Andrade, marido de Cláudia, educadora física, pai de Julia, fisioterapeuta, casada com Lucas, e Carolina, nutricionista. Advogado, professor de direito civil e direito da criança e do adolescente, consultor governamental e educador, especialista em Educação Familiar Desescolarizada. Possuo também formação em teologia.

Sou Mestre pela Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo, e autor da Dissertação intitulada Gestão Pública Municipal e o Problema do Ato Infracional. Defendi, no ano de 2014, a Tese  intitulada Educação Familiar Desescolarizada e o Direito da Criança e do Adolescente: Relevância, limites e possibilidades na ampliação do Direito à Educação, pela qual me foi conferido o título de Doutor em Educação, pela mesma Universidade. Encontre-a aqui:

http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/48/48134/tde-10112014-111617/pt-br.php

Dentre as atividades profissionais que exerci nos últimos 15 anos estão as de assistente técnico da área jurídica da Coordenadoria de Ensino do Interior/Secretaria de Educação do Estado de São Paulo; analista técnico-jurídico da Secretaria Nacional de Assistência Social/Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome; professor em cursos de graduação e pós-graduação das instituições de ensino superior Centro Paula Souza, Universidade Mogi das Cruzes, Faculdades Integradas Metropolitanas de Campinas, Faculdade Escola de Comércio Alvares Penteado e Universidade Anhanguera; consultor e docente especialista da Fundação para o Desenvolvimento da Administração (FUNDAP); professor convidado da Escola de Governo de São Paulo; presidente do Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente de Jundiaí, SP.

Deixe-me contar uma breve história pessoal. Em meio ao corre-corre da vida da megametrópole paulista, no ano de 2011 fui diagnosticado com dois tumores: um cerebral, maligno, e outro no nervo ótico. Minha vida mudou muito em função da doença. Costumo dizer agora, depois de alguns anos de muito sofrimento, meu e de minha família, que a doença foi muitíssimo proveitosa, porque me fizeram perceber, novamente, o que realmente tem valor na vida, e o que é a vida que vale à pena ser vivida.

%d blogueiros gostam disto: